post04

Você pode se sentir extasiado ao iniciar na prática do método do Pilates, pelo modo com que alguns princípios básicos transformam um sistema de exercícios aparentemente simples em um completo e complexo mundo de puro movimento. Cada exercício foi concebido para integrar estes princípios. Por isso, no início, sem um professor que o supervisione, sua técnica pode ser irregular e os resultados infrutíferos. É necessário incorporar os princípios de uma forma correta e trabalhar os conceitos fundamentais (neste post falo mais sobre isso) até fluírem de forma natural e se converterem a hábito.

1 – Centro de Força;

Pense nos músculos que você utiliza para realizar suas tarefas diárias. Muitos acreditam que utilizamos mais braços e pernas, mas o que dizer sobre o centro? Temos um grande grupo de músculos no centro – abdome, lombar, quadris e glúteos – que estão implorando por atenção. Pilates denominou esse centro “casa de força”. Todo o trabalho começa a partir do centro e continua a partir dali. O centro suporta o tronco, ajuda a melhorar a postura, facilita movimentos equilibrados e afina o controle motor das extremidades, constituindo o pilar fundamental do método. A energia física é, portanto, exercida a partir do centro a fim de coordenar os movimentos. Desse modo, constrói-se uma sólida fundação na qual se pode confiar durante as AVD’s (Atividades de Vida Diária), implicando em menos fadiga na execução dos movimentos e consecutivamente, menos lesões.

2 – Concentração;

É o elemento chave para conectar mente e corpo. A fim de trabalhar o corpo é necessário estar presente com a mente, é ela que comanda a ação física. Preste atenção nos movimentos que realiza e observe como os músculos respondem a essa atenção. Quando focalizar em uma área, observe como sente mais aquela área trabalhando, que músculos estão agindo naquele segmento. Cada exercício tem alguns objetivos e uma razão de ser, as instruções são fundamentais para obter o êxito global de cada exercício; ignorar os detalhes supõe sacrificar o valor e o benefício da prática. A razão da necessidade de se concentrar é poder estar no comando de cada movimento, para assim realizar os movimentos precisos e perfeitos.
Esse é o poder da mente, utilize-o!

3 – Controle;

Quando o trabalho é realizado a partir do centro e com absoluta concentração, significa ausência de movimentos descuidados ou casuais. Controla-se os movimentos executados sem permitir que os hábitos – quase sempre equivocados – ou a gravidade tomem conta deles. Joseph chamou seu método de A Arte do Controle, ou “Contrologia”. É importante conseguir o controle do corpo em movimento, da mente sobre o corpo e do padrão de respiração. Nada no método Pilates é casual; o controle é uma chave essencial para conseguir a qualidade desejada do movimento, que tem de ser preciso e fluído. Cada movimento tem uma função, e o controle é sua essência.

4 – Precisão;

Todos os exercícios têm uma estrutura clara, uma forma precisa e uma dinâmica adequada, foram planejados com o objetivo de se obter o máximo de benefício de cada um deles. Cada instrução é essencial para o sucesso do todo. Deve-se prestar muita atenção aos detalhes, já que a qualidade, nos movimentos, é mais importante que a quantidade. Deixar de fora qualquer detalhe é abandonar o valor intrínseco do exercício. Pilates disse: “Concentre-se nos movimentos corretos cada vez que se exercita, ou os fará de maneira incorreta e eles perderão seu valor”. Por isso, procure concentrar-se em fazer um movimento preciso e perfeito em vez de muitos sem vontade. Essa precisão acabará se tornando sua segunda natureza e nada menos que isso o satisfará.

5 – Respiração;

Respirar é o primeiro e último ato da vida, assim é essencial aprender a respirar corretamente. Para atingir o ideal de condicionamento físico total, Joseph Pilates concebeu seu método visando purificar a corrente sanguínea por meio da oxigenação. Ao empregar inspirações e expirações completas, você expele ar viciado e gases nocivos das profundezas dos pulmões, como quando “torcemos um pano ensopado de água” e preenche o corpo com ar fresco, trazendo mais energia e vitalizando seu sistema. Normalmente, inspiramos no ponto de esforço (fase concêntrica) e expiramos no relaxamento (fase excêntrica), embora esta regra possa mudar dependendo do tipo de exercício. Sentirá que a respiração adequada ajudará no controle dos movimentos durante os exercícios, assim como nas AVD’s.
A respiração deve ser adequadamente coordenada com o movimento. Joseph Pilates escreveu: “Antes de tudo aprenda a respirar corretamente”. Defendia que forçar a expiração completa era a chave para uma inspiração correta.

6 – Fluidez;

Parte da originalidade do método Pilates advém da fluidez com a qual os exercícios devem ser realizados. Não há movimentos estáticos, isolados, porque o corpo não funciona naturalmente dessa maneira. Os exercícios são sequências de movimentos brandos, sem procedimentos bruscos e com uma dinâmica específica. Para obter a máxima fluidez, deve-se realizar o mínimo movimento, sobretudo nas transições dos exercícios. Cada um dos exercícios está ligado a outro, na verdade, não há nenhum momento em que o movimento cesse. A graça predomina sobre a velocidade. Fundamentalmente é importante sentir os movimentos como fluidos, como um longo passou ou uma valsa.

Agora, se você gostou deste post, clica aqui em baixo deixando seu comentário dizendo se utiliza alguns desses princípios nas suas práticas de exercícios ou utiliza outros e quais seriam.

Um abraço e até o próximo post, tchau!

Comentários

  1. Oi Malena, se você tiver força de vontade vai conseguir fazer os exercícios e eles irão te trazer muitos benefícios em pouco tempo.
    Irei postando fotos de exercícios para as pessoas tentarem fazer em casa.
    Visitei teu blog e adorei a ideia do desafio.
    Sucesso para ti.
    Um ótimo final de semana, beijo!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estes Tags e Atributos HTML:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>